terça-feira, 25 de julho de 2017

Reconexão universal.

"Um novo dia,
Um outro ciclo,
O mesmo sonho, o mesmo sonho
Com esmero ponho,
O enfrentamento a caminhar, passo distante a vislumbrar
Tudo o que poderíamos ser
Com mentes férteis e pulsos fortes,
Sonhos inderrubáveis e lindas imperfeições". - PNNC.

Burnt by the fire of my reality.

"I stand here, left to bleed
My teardrops fall unseen
I cry for this burning tree
Our fears destroy our dreams
Forgotten bitterly
Silent sympathy
Like teardrops on the screen
Our fears destroy our dreams." - Devilskin.

domingo, 23 de julho de 2017

Quando bate aquela saudade.

"É você que tem
Os olhos tão gigantes
E a boca tão gostosa
Eu não vou aguentar

Senta aqui do lado
E tira logo a roupa
Esquece o que não importa
Nem vamos conversar". - Rubel.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

"This is the last smile".

De 2003 até hoje foram CDs, DVDs, posteres, um show fantástico, influência no meu cabelo, nas minhas tatuagens, no meu jeito de me vestir e de ser. De 2003 até hoje sendo a trilha sonora dos meus melhores e piores momentos. Desde 2003 sendo um puta de um ídolo, não até o seu último dia, mas até o último dos meus.


Cya.

sábado, 15 de julho de 2017

Morrer, no bom sentido.

"Duncan despertou no meio da noite, como há tempos não fazia. Atordoado, notou as luzes do quarto. Uma pequena e vermelha do rádio-relógio em cima do criado. A outra vinha timidamente da janela, projetada pelo poste da rua. Encontrou a firmeza que precisava para se recobrar quando notou Gail dormindo, com a cabeça apoiada em seu ombro e seu braço depositado em seu peito. Seu semblante era pleno. Arriscava até que fosse um sorrisinho. Esticou o braço livre e colocou atrás da sua orelha uma mecha do cabelo negro que contrastava com a pele pálida, sem que a acordasse. Parou. Que sensação era aquela? Por mais que refletisse, não conseguiu nomear. Ninguém num momento daqueles conseguiria. Há coisas que não precisam de rótulos, precisam de essência. Precisam ser sentidas. Foi o que Duncan fez. Poucos minutos dedicados ao espetáculo que ali se passava o fizeram perceber que dá pra ser feliz eternamente num espaço de poucos minutos. Abraçou-a, apertando e chocando suavemente seus corpos. Ganhou outro em resposta, com braços se enlaçando e um nariz delicado roçando em seu peito. Em meio ao ensurdecedor silêncio da madrugada, ele descobriu que ali ele poderia morrer. E aquilo era fazer isso no bom sentido."

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Dia do rock, bebê!

"Não é uma agulha numa veia
Não é o sexo nos bastidores
Não é linhas de cocaína em um jato particular
Não é ter um bando de puxa-sacos te seguindo em todo lugar
Não é o cabelo comprido, tatuagens, nem tocar muito alto

Não é um dedo médio em uma camiseta que o mercado tenta vender
É um cara com culhões pra mandar o mercado ir para o inferno
Não é sobre o dinheiro que você faz quando um álbum é vendido
É sobre fazer isso por nada, porque ele vive em sua alma

Isso é rock and roll!
Isso é rock and roll!

É uma rocha através de uma janela
É um passeio na rua
É uma revolução rebelde
É lutar por pedaços
(...)
É um tijolo na parede
É a primeira a ficar
E o último a cair
É um diabo botando pra quebrar no palco
É fazer o que você quer, em vez de fazer o que te dizem
É um pastor queimando discos e dizendo pra irem rezar
Porque o pastor comprou uma Gibson, e liderou a perdição do rebanho

Isso é rock and roll!
Dar tudo até que não sobre nada!
Isso é rock and roll!

(...)
É a festa com som alto
É a festa que se transformou em uma multidão enfurecida
Demônios decadentes não sentem dor
É a vergonha de encontrar o Nirvana bêbado
Acaba rápido feito uma canção
Hendrix, Joplin. O que deu errado?
Precisar de algumas respostas, certas ou erradas
Precisar de algo para culpar

Isso é rock and roll, porra!
Isso é rock and roll. porra!

Mais um dia em outra cidade
Testando o palco e as luzes e o som
Lá vêm eles, meninos
Eles abriram as portas

Isso é rock and roll, porra!
Dar tudo de si até que não sobre nada
Isso é rock and roll, porra! (...)" - Eric Church (adaptação).